25 de janeiro de 2009

A história da Páscoa

Naqueles dias, Jesus Cristo passeava com alguns dos seus discípulos nos novos jardins da Galileia, quando se cruzou com um cagalhão que um cão judeu havia deixado. Após apanhar as fezes com um saco para o efeito, Jesus tomou a palavra e interpelou Pedro:
-Pedro, este cagalhão é uma metáfora, eu sou a Merda e vocês são as moscas que a rodeiam. Amam-me mas só porque precisam de mim para sobreviver e um de vós irá comer-me a cabeça.
-Senhor, tanto sabeis! -exclamara Pedro- Mas qual de nós vos irá comer a cabeça sabendo que lá habitam os irmãos piolhos?
-Pedro cala-te que o Messias sou eu!
Prosseguiram, passando por diversos empresários judeus que proponham aplicações bancárias na Bestas Jerusálem Lda. ou que vendiam terrenos na Faixa de Gaza, respondendo-lhes Jesus sempre da mesma maneira:
-O dinheiro não vos torna felizes, o que vos preencheria seria a relação sexual com uma das meretrizes viajantes que surgiram junto ao Palácio do Rei Herodes.
Quem lhes apareceu foi Judas que havia vendido dezasseis galinhas a um mercador fenício. Judas aproximou-se de Jesus, beijou-lhe a face e disse-lhe ao ouvido:
-Meu Senhor, com esse cheiro a história do cagalhão não era por certo uma metáfora.
Neste momento dois guardas pararam de coçar o rabo e prenderam Jesus Cristo, levando-o para os calabouços. Era o ordem de Poncio Pilatos, o Rei da Galileia e Presidente do Clube de Fãs de Platão. O próprio Poncio Pilatos falou com Alberto carpinteiro e este encarregou-se de colocar o Messias numa cruz, simbolizando o famoso cruzamento que dava para Jerusálem e Vilar de Maçada.
Antes de morrer Jesus falou com um dos outros criminosos que eram crucificados com Ele:
-Lembra-te: isto é só a morte terrena, depois disto partirás para o Céu onde as drogas leves já foram legalizadas e a prostituição é encarada como uma profissão normal.
-Pois bem, Meu Senhor, mas eu vou deixar a minha filha de cinco anos e o meu neto de sete. Não é justo.
-Mas lá as minis são mais baratas.
-Isso já é outra conversa!
Foram estas as últimas palavras, pois o carrasco espetou uma estaca de madeira no pénis de cada um, terminando assim com a vida de Jesus Cristo, o Salvador, deixando no ar a questão se Ele realmente transformava água em vinho.

2 comentários:

Siegfried disse...

"simbolizando o famoso cruzamento que dava para Jerusalém e Vilar de Maçada."

então a história passou-se em Cabeda city :P

Anónimo disse...

gostei ... fiquei bastante esclarecida quanto a isto ... é q nunca acreditei mt na versao biblica . ainda bem q algm se lembrou de escrever a verdadeira versao deste episodio !!!

xD

so mesmo tu !!!!

Teresa

Publicidadezinha